Monday, November 13, 2006

Um texto que vale por todos


Não se trata de wrestling, vou re-lembrar o triste dia que foi 13 de Novembro de 2005 para milhares de pessoas. Eu bem sei que artigos de wrestling normalmente são considerados infundados pela maioria das pessoas, convém é explicar que este blog não foi feito para ter milhares de visitas, apesar de lá subir devagarinho. Hoje trata-se de re-lembrar a vida de Eduardo Gory Guerrero, wrestler profissional, que faleceu de paragem cardiaca e deixou todo o mundo do wrestling com o coração nas mãos.

Eu próprio não consigo entender certas coisas nesta vida, não entendo a morte, não entendo o final tão pouco digno com que uma pessoa acaba. Naquele tempo ainda acompanhava as transmissões na SIC Radical, hoje não. Provavelmente por isso mesmo senti a morte de Eddie Guerrero muito mais do que iria sentir agora. Não me esqueço do dia em que abri a página de vários blogs da especialidade portugueses e me deparei com a triste noticia, não acreditei e corri até á página oficial da WWE, afinal era verdade Eduardo Guerrero tinha morrido na manhã do dia em que se iria tornar segunda vez campeão mundial. A vida tem destas coisas, as pessoas que nos são chegadas aos poucos e poucos vão desaparecendo e um dia pensamos na lista daqueles que ja partiram.

Enquanto vivo Eddie Guerrero nunca foi dos meus wrestlers preferidos, mas depois da sua morte passei a ter um profundo respeito pela vida deste homem. Comecei a ler todos os artigos que consegui encontrar sobre a vida dele e só assim consegui dar crédito a uma das melhores carreiras que passou pelo mundo do wrestling.


A comunidade internauta de wrestling em Portugal tem sida bastante criticada e normalmente sem sentido, mas hoje senti-me envergonhado por fazer ( mesmo que em part-time ) parte desta comunidade. Contudo passado um ano do falecimento da morte de Eddie, poucos são aqueles que tiveram o bom-senso de prestar uma - pequena - homenagem a Eddie. A passagem por este mundo muito das vezes é efémera, poucos são os recordados a longo prazo. Hoje passado um ano já ninguém se lembra de Eddie Guerrero.

2

Hoje apercebi-me que a maioria das pessoas muito pouco alcança durante o tempo em que viveram. Sinto-me fodido com a vida, por tantas vezes ela ser madrasta para aqueles que foram os seus filhos mais leais. Sinto-me completamente ofendido por certas bestas que nada fazem para conseguir atingir alguns objectivos e congratulam-se por serem uns filhos da puta. Sinto-me ofendido pelo tão grande falta de respeito que a morte tem pela vida. Sinto-me fodido pelas situações em que a vida não faz sequer sentido, em alguns momentos podemos dizer que faz todo o sentido a vida ser como é, noutras ocasiões nem tanto.

Hoje tive exemplos que cada vez mais somos uns fantasmas a pairar sobre este mundo olhando para o nosso próprio umbigo e não querendo saber de problemas de outras pessoas, porquê? Porque me hei-de dar ao trabalho de me preocupar com a vida de outro gajo se eu estou bem. E não passamos disto, vivemos para nós dentro da nossa bolha actimel e quando essa bolha rebenta não sabemos o que fazer da vida e entra-se em pânico. Todos nós temos á medida do tempo os nossos protectores, um dia eles falham-nos e nós caímos, temos os nossos herois e queremos ser como eles mas subitamente estão demasiado longe para os conseguirmos alcançar.

Não foi ontem? Há-de ser hoje, ou então passará para amanhã. São assim os nossos medos, um dia vêm á superficie e temos que aprender a ultrapassa-los. Todos aqueles que foram têm os seus ensinamentos de que podemos tirar umas lições para melhor viver neste mundo, enquanto que alguns que vivem neste mundo normalmente pouca são as lições que nos podem dar.

Sinceramente sinto-me um bocado farto do que a vida hoje em dia representa, as mesmas rotinas de sempre e normalmente quando essas rotinas são quebradas são para pior, raramente é ao contrário. Para ultrapassar estas barreiras, estes medos que aparecem pela nossa existência temos que arranjar uma escapatória rumo á sanidade, eu tenho a escrita, a capoeira, os sonhos ireealistas mas que mesmo assim me alimentam a cada dia. Não são reais, mas preservam a ( pouca ) sanidade que tenho. São estes mesmos sonhos que ma fazem escrever, que me fazem exigir mais de mim, que me mantêm em pé, são estes sonhos que me fazem respirar. Um dia eles acabam e não sei o que será de mim.

Por essa mesma razão é que sou como sou, não tolero algumas criaturas pouco racionais com que tenho que viver. Não têm razão de viver, porque nada fazem para viver, logo nada aqui fazem se não atormentar a vida aos que cá andam. Ao que muitos dizem: Deus não existe! No seu ponto de vista não e logo deixa de existir, para mim que acredito na sua existência passou a existir. Bastante subjectiva a vida não é? Hoje consigo perceber o porquê dos idosos não sorrirem, nem serem pessoas divertidas, pouco ou nada ainda têm do que um dia já tiveram e a assustadora realidade da morte é demasiado próxima.

Eu nada percebo da vida, eu não sei nada, eu sou apenas um míudo que gosta de falar sobre coisas de adultos e que nada mais faz se não sonhar. Eu rendo-me á obscuridade que é a vida, eu aceito o destino evitável que nos persegue a todos, eu tento-me convencer de que nada de mais irei fazer durante a minha vida, mais um entre os milhões. Mas acima de todo mete-me nojo aqueles que gozam com a tristeza real dos outros, cuspo na cara daqueles que cospem na minha, sou antipático para aqueles que não respeitam a vida dos outros porque da vida deles bem se podem foder á vontade, não aceito aqueles que vivem para si e tenho um ódio profundo por aqueles que fazem com que a vida de outros seja pior por puro divertimento. A todos vocês tiveram lugar ao ponto alto da vossa vida ao referenciar-vos neste blog.

A Eduardo Gory Guerrero, a Owen Hart, a P.A.S., a Dave-Boy Smith, a todos esses que me fazem falta e que tornavam o mundo melhor, estão dentro de mim e que nunca serão esquecidos.

13/11/05

.../10/05

23/05/99

18/05/02

22/11/05

13/11/06

.../06/05

( um caléndário a recordar, com mais tristezas que outra coisa )

2 comments:

Ana Luísa said...

olaa!
bem...
sem duvida o texto marcou me e axo k cada vex mais me sinto preparada para tudo !
mass knd penso :( nao consigu evitar umas lagrimas! :(
mas o melhor é nao pensar e sorrir nao é ?

loOOl

adorei o texto!

bigado por tudo !

bjs**

João Fernandes said...

Nada é inevitável, mas não interpretes mal as minhas palavras, mais do que uma critica á sociedade contemporanea é uma homanegem áqueles que já foram. Não áqueles que permanecem entre nós :)