Tuesday, May 01, 2007

1984 - Um futuro possivel

Já o li há uns tempos, mas infelizmente só hoje me deu para escrever sobre este livro. 1984 é para muitos e para mim também um dos melhores livros sobre politica alguma vez já escritos. Toda a influência que teve em futuros livros, filmes e afins é incontornável e o que hoje nos pode parecer completamente irreal, na verdade, quando o livro foi escrito em 1948 ( o titulo provem da alteração dos dois últimos digitos da data ) podia parecer um futuro bastante provável. Como John Lewis Gaddis, escreveu no seu excelente livro sobre a guerra fria "Hoje em dia nem sequer podemos pôr em questão a existência de uma guerra nuclear ou de um estado totalitário governar o mundo, em 1948, em plena Guerra Fria era um futuro provável para os mais pessimistas e a diferença de 40 anos parecia plausivel para uma super-potência dominar o mundo por completo". George Orwell não escreveu este livro para que fosse o seu último, ou para ser aclamado com um êxito, aliás quando o livro foi publicado nos Estados Unidos e se tornou um best-seller Orwell já avistava a morte a poucos dias.

A sociedade totalitária de 1984 apesar de ter alguns defeitos passados quase 60 anos, acredito que na altura tivesse sido uma visão aterradora. Há quem afirme que é uma critica ás sociedades comunistas e a então toda-poderosa URSS, Orwell desmentiu a um amigo enquanto escrevia o livro já em debeis condições de saúde. Mas, agora que se analisa o livro, podemos perceber claramente que a sociedade em que Winston Smith vivia era um anacronismo ao comunismo, e a própria imagem do Grande Irmão é influênciada no ditador russo Jósef Estaline. A criação é surpreendetemente repressiva, totalitária, sufocativa e combina o pior dos extremos fascistas/comunistas de forma eficaz, não existe espaço para ter amigos, e confiar em alguém era como assinar a nossa sentença de morte. Todo o enredo tem um poderoso realismo pelo facto de acreditarmos nos proles e na própria revolução a derrubar o sistema, ao vermos que existem pessoas dentro do próprio sistema que o tentam derrubar, ao vermos Winston ter alguém poderoso que partilha os mesmo ideais que ele. Isto era o que W.S. pensou e qualquer um de nós iria pensar.

"Se queres ter uma visão do futuro imagina uma bota do Partido a esmagar um rosto humano para sempre". Isto foi o que disseram a Smith quando submetido a tortura e poderia ter sido uma visão realmente aterradora para os cidadãos sob uma sociedade democrática na altura. Temos que nos lembrar que na década de 40 terminou a guerra mais destrutiva e que mais vidas ceifou desde sempre, a 2ª Guerra Mundial, e passado dois anos iniciou-se outra a Guerra Fria, onde a ameaça de uma guerra nuclear ao nivel planetário era tão possivel como uma pessoa que ande á chuva ter febre. Nesse tempo não se vivia como hoje, vivia-se em constante sobressalto porque amanhã poderiamos ser vitimas de uma bomba nuclear. O presidente americano de então, Henry S. Truman, quando autorizou os bombardeamentos a Hiroshima e Nagásaki, em privado disse ao seu vice-presidente: "Só desejo que amanhã volte a acordar e que toda esta nação o faça tal como eu". O que Truman tentava transmitir era o perigo de Estaline largar bombas em solo americano. A verdade é que a URSS só as teve em 1949, três anos depois, mas sempre disseram que as tinham e que não hesitariam em largá-las em território europeu e americano.

Por aqui, podemos ter uma visão do que era a vida politica e a forma como as populações tentavam encarar uma possivel guerra nuclear. O romance de Orwell no meio desta guerra, foi visto por alguns como um presságio, uma verdade a que seria impossivel escapar. É, mais ou menos, o mesmo do que hoje ser publicado um livro em que o mundo estava dividido em dois blocos, o Ocidental e o Muçulmano, e ambas eram repressivas e totalitárias, na sociedade adoptariamos os padrões islâmicos e não teriamos grande escape. O cenário em que vivemos, felizmente é diferente, visto que os regimes totalitários estão em extinção do mundo, re-afirmo, seria algo como um mundo massacrado pelo terrorismo a toda a hora, em qualquer lugar. Bastante mais aterrador. O livro de Orwell é isto, aterrador, sofucante e absolutamente maravilhoso, é impossivel de se conter a vontade de folhear as páginas e chegar ao fim do livro. De todos os livro alguma vez mencianados, até á data, aqui este é sem dúvida o mais obrigatório e o melhor.

1 comment:

Nuno said...

É um livro que já há uns dois ou três anos que está na minha lista "para ler"...

A ver se arranjo um tempo . Sem esquecer que o Harry Potter está quase a sair, que ando a reler pela nº vez a colecção, desta da frente para trás :P