Friday, September 15, 2006

Olha lá que porra

Hoje dia 15 de Setembro começaram as "aulas" propriamente ditas, há mais de uma semana que não se fala de outra coisa se não no inicio das aulas. No meio de tantos dizeres e tantos "desta vez é que é" da senhora ministra da educação chegamos ao ponto de isto ainda estar pior que o ano passado. Qual é o meu espanto hoje quando a minha nova directora de turma me vem dizer que os horários ainda não estão prontos, o que só prova a eficácia dos organismos do estado neste aspecto. Agora gostaria que me respondessem a isto: " Que vão os estudantes fazer na segunda quando nem sequer ainda sabem os horários?". Penso que não é preciso ser-se um grande génio para adivinhar a resposta a pergunta tão estúpida, não vão fazer nada pois claro. Basicamente segunda feira vai ser um dia completamente perdido visto os horários só estarem disponiveis no próprio dia. No meio de tanta eficácia e tanto simplex lá pelo meio podemos constatar que nem todas as escolas são tão boas como aquelas que o "sôr" ministro visita.

Aqui há uns anitos atrás foi a surpresa geral, porque as aulas só começaram em meados de Outubro, foi uma grande porcaria sim senhor. Este ano no meio tanta perfeição podémos constatar que este governo também tem os grandes erros e não será certamente com escolas rechedas de computadores que ás duas por três vão é parar a casa dos senhores professores. Muito se tem falado sobre esta ministra que será esta senhora que vai mudar o sistema de educação em Portugal, errado! Ninguém melhor para falar do caso do que aqueles que estão dentro da barricada, com estes métodos não vamos a lado nenhum, não vai ser com 15 milhões de euros que os alunos vão começar a perceber matemática. Eu felizmente já não a tenho, mas sei que é complicado e enquanto não existirem profissionais que não estejam lá por obrigação não iremos saír da cepa torta.

Assim não iremos a lado nenhum, não nos podem exigir que entendamos uma disciplina quando somos obrigados a recorrer a explicações pagas a peso de ouro para termos um magrissimo 6. Não nos podemos queixar muito deste governo, mas aqueles que dizem que a ministra está a fazer um bom trabalho não deve de ter estudado muito bem a matéria.

Hoje foi turma nova, poucas caras conhecidas, mas na escola foram as mesmas caras de sempre, não muito agradável para ser sincero. 5 anos numa escola torna-nos uns veterano, mas eu apresento-me como um veterano pouco identificado pela maioria, a aura que emana daquela escola provoca-me nauseas. O ano passado tinha uma excelente turma que sempre amenizava o efeito nauzeador da escola, agora não sei. Para falar verdade não sei muita coisa, mas não será assim que se irão mudar mentalidades, antes pelo contrário. Todas as instituições requerem um trabalho indispensável, conhecida por poucos mas facilmente identificável. Pode-se chamar de lavagem cerebral, eu pelo menos gosto de chamar assim, todas as instituições têm esta vertente, é necessário para que tudo esteja dentro da ordem. A democracia e a ditadura são tão diferentes mas são quase gémeos separados á nascença, pode ser dificil de compreender, mas se for bem analisada torna-se clara como a água.

Se repararem o que acontece se um aluno numa escola discordar de uma opinião e se recusar a aceitá-la?, o que acontece se um aluno entra no direito de reunir um grupo de outros alunos para fazerem uma greve devido ás condições deficientes da escola? Pois claro o que haveria de acontecer?, são logos com um processo disciplinar em cima que bem se fodem. Isto é chamada lavagem cerebral para manterem os estudantes num sonambulismo em que não se manifestam contra nada, se não sofrem as consequências. Isto acontece um pouco por todos os lados, porque não pode um aluno formular uma piada dentro de uma aula?! Porque simplesmente os mortos-vivos não as fazem logo é digno de tal. Um pouco por todo o lado estão mensagens como estas sobre o controlo cerebral que começam a fazer aos nossos petizes logo na ida para os infantários.

Ninguém se apercebe disto ou serei só eu que abri os olhos enquanto estava numa sala em que escrito na porta tinha "Top Secret", devo de ser só mesmo eu. A educação tem que ser reformulada, pois claro que tem! Mas não será assim, enquanto persistirem que irá ser com auals de substituição a roçarem o ridiculo, enquanto insistirem que será com milhões de euros que isto mudará nada mudará. Só mudará quando entrarem com uma abordagem que vai de encontro aos alunos, que eles se sintam confortaveis naquelas situações, porque com aulas de substituição ninguém aproveitará tempo, os próprios profissionais estão-se nas tintas para as ditas cujas. Eu não concordo com este sistema e se este persistir eu irei a fazer algo significativo para o mudar, não concordo com as subsitituições logo não irei a estas aulas. Obviamente que terá uma consequência mas a ministra precisa de ver que nem todos somos cordeiros a andarem ás cegas atrás do cajado do seu pastor.

6 comments:

Psychotic Crow said...

Infelizmente tás certo no que dizeseu quato a horários e escola não me posso queixar, mas é certo que nem sempre foi assim comigo, eu vou agora para o 11 ano e ese é o segundo ano que estou nesta escola, mas tive 5 anos numa escola chamada de mendonça furtado em que as minhas aulas de substituição de matemática chegaram, a ultrapassar o ridiculo mas como era ano de exame ninguem se pode queixar, senão o mais provavel de acontecer, é o que tu proprio disseste. Mas isto há de mudar, pode ser que daqui a uns anos a UE faça abrir os olhos a Portugal (yah e eu sou o pai natal com orelhas de coelho da pascoa). Mas agora a sério, isto há de mudar mas muito provavelmente nem tu nem eu já tiraremos algum benefico de tal.

João Fernandes said...

Faço tuas as minhas palavras que não tiveram espaço no texto, mas também não me posso esticar muito pelos textos se não dizem logo "demasiado longo".

Ana Luisa said...

olá! tens mt razao no que dizes joao mais uma vez lool! bj

AzA dELTA said...

Só gostava de perceber uma coisa, porque não concordas om as aulas de substituição? Primeiro, falas de que o país tem uma cambada de burros, que não percebem nada de matemática, e depois, quando tentam arranjar uma maneira de terem aulas a 100 por cento, não, "nos temos direito de não ter aulas quando os profs se baldam."

Fica bem.

João Fernandes said...

Antes de mais agradecido pela visita, isto a todos que por aqui passam.
Eu não disse que Portugal tinha uma cambada de burros que não percebem Matemática, eu próprio não entendo e nem gosto de Matemática, por isso mesmo é que resolvi mudar de área.
Não concordo com aulas de substituição pelo simples motivo que nessas mesmas ninguém estuda, apenas temos mais um "feriado" secante".
Por exemplo se as aulas de substituição fossem dadas por um professor da disciplina que deveria de estar a ser lecionada, tudo bem. O problema é que na maioria das ocasiões, para não dizer todas o que se passa é que os senhores professores vão para as aulas "coçar" os ditos cujos e não dão matéria.
Agora eu pergunto qual é a grande diferença entre ter-se um feriado lá fora e estarmo na paródia durante 90 min dentro de uma sala.

Nuno said...

Tens toda a razão quanto às aulas de substituição. Qual é o interesse de privar os alunos de feriados (o que eu aprendi a jogar ao bate-pé nesses feriados) - quase um direito - para os pôr a jogar trivial pursuit ou congénere dentro da sala de aula?

A ministra deve achar que os alunos são todos uma cambada de delinquentes, por isso, rédea curta e chicote preparado na mão.

Eu nunca tive aulas de substituição no secundário. No 3º ciclo, quando as tive, metade delas faltávamos em conjunto (o que até levou a directora - era má como as cobras - a ir-nos buscar atrás dos pavilhões).

Se tínhamos falta, who cares? Este ano acabei tapado a e. fisica e só me arrependo de não ter guardado mais uma falta para a última aula em que foram danças tradicionais (malhão e isso. Mas não, não imaginem).

A única coisa de boa que veio para o ensino no último ano foi o processo de Bolonha. Finalmente temos um ensino que nos dá possibilidade de nos equiparar-mos aos restantes europeus.

Mas, vistas bem as coisas, o ensino superior está a cargo do Min da Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior. Por isso, a minha conclusão é só: ainda não vi nada de bom feito pela ministra da educação.

Isto está a pedir para acabar por aqui, mas deixa-me dissertar João.

O problema desta ministra (e de todos, em geral), como tu disseste e bem, é não ter o mínimo de conhecimento do que é o ensino em Portugal.

Até os professores dizem isso. mas também como é que se pode confiar numa superior que quer por os subordinados a ser avaliados por pais sem nenhuma formação, estando ainda sujeitos a maus tratos fisicos e psicologicos.

As escolas que a Dr. Maria de Lurdes Rodrigues visita, além de serem, por norma, escolas exemplares, estão obviamente preparadas para a receber e causar boa impressão (talvez assim consigam sacar mais uns cobres ao ministério).

Isto sem falar na vergonha que foram os exames nacionais de 12º este ano, que tinhamos pano para mangas.

Bem, mas como já sou universitário :)

Já agora, gostei especialmente desta.

"A democracia e a ditadura são tão diferentes mas são quase gémeos separados á nascença, pode ser dificil de compreender, mas se for bem analisada torna-se clara como a água."

Na mouche