Friday, September 01, 2006

Duros como uma pedra

Há que saber diferenciar o ridiculo da vergonha e muita gente não o sabe. Eu não acho que as pessoas devam ter vergonha dos seus actos, não podem fazer nada quanto aos seus actos. Sei bem que por vezes passamos por situações complicadas em que só nos apetece esconder num buraco para que ninguém nos veja, isto é compreensivel porque no fundo todos nós já vivemos estas situações. Agora entre vergonha e caír no ridiculo são realidades bem distintas, o problema é que quando estamos na segunda acção nunca damos conta do erro e continuamos a ir mais fundo e sempre mais até que algo nos faz acordar para a realidade.

Todos nós já passamos, infelizmente, por ambas as situações. Mas sejamos sinceiros, uma coisa é sermos gozados, ou não, da nossa situação outra é deixar que toda a nossa estupidez afecte os outros e lhes seja prejudicial. Isto hoje em dia é um caso tão comum como os casos arquivados pela PJ. Temos o caso do presidente do Gil Vicente que sofre de uma grave doença de foro psicológico chamada: egoismo, também pode ser chamada de estupidez se preferirem. Este senhor não quer saber se o seu próprio país é prejudicado, deixou de ser uma questão clubistica. A impressão que tenho é que este senhor já nem do próprio Gil quer saber, deve querer saber sim é em ganhar o caso, custe o que custar o ego do senhor tem que ser elevado até ás nuvens.

Este é só um caso com mais exposição mediática, em que um simples humano julgando-se seja lá o que for, quer ganhar e no fundo só ganha é uma imagem de um individuo que não merece respeito e que mais tarde ou mais cedo irá fazer os seus discursos para a parede. À nossa volta não são poucas as pessoas que caím no mesmissimo buraco da estupidez, e como normal nem se apercebem. Se estes individuos não chateassem ninguém tudo bem por mim, mas o que mais me preocupa é que têm sempre a tendência a irritar e meter o seu longo nariz na vida dos outros e dár-lhes cabo da existência. Esta gente é estupida, mesquinha, mimada, sem defeitos, ridicula, uns cromos de primeira e há alta probabilidade de serem pseudos- qualquer coisa. Vivem á nossa volta e nós todos os dias temos que encolher os ombros para não nos arriscarmos a uma semanita em Custódias porque alegadamente: enfiamos um punho na face de outro ser não muito digno da existência.

O pior é que estes Judas Escariótes vivem no seu mundo imaculado, na sua bolhina actimel e que têm de ter tudo se não gera-se já uma ocasião própria para as lágrimas e gritos de desespero. E nós mais uma vez levamos com estas criaturas mergulhadas no ridiculo em que vivem e encolhemos os ombros, porque nunca se deve contrariar o senhor da bolhinha actimel. Sois uns otários, vivem sem sonhos, vivem sem amizades porque não precisam delas, vivem na vida da pieguice, vivem numa vida em que a bolhinha actimel parece ser de betão e impenatrável, quando na verdade basta um toquezinho frágil no seu ego para se ver a verdeira identidade dos museus ambulantes.

Não fiquem a pensar que estou a falar mal da sociedade humana, nem de humanos, Deus me livre de tal coisa. Quando viver na minha bolha dos lacticinios já serei digno de dizer tudo e mais alguma coisa, entretanto escrevo, como tantos milhões de jovens fazem, esperem isso não será ver pornografia? Pois, entretanto eu irei viver privado de qualquer coisa plausivel para entrar na massa cinzenta, irei viver com horas da minha vida carregadas de estupidez, mesquinhice, pornografia, violência, medo e cada vez irei caír mais no ridiculo sem me aperceber juntamente com o meu mundo isolado. Deve de ser por causa deste modo de viver que as guerras, a leitura e a cultura são cada vez mais usuais, raras e esquecidas, respectivamente.

"O sonho é a única coisa que ninguém nos pode tirar, enquanto vivermos num sonho não haverá medo, não haverá mal, nem muito menos haverá tristeza. Tudo isto porque um sonho é o que uma pessoa quiser e não aquilo que lhe é imposto pela sociadade cada vez menos sonhadora." Eu não costumo ser homem de grandes citações, mas as bolhinhas de actimel inspiram-me.

1 comment:

Ana Luisa said...

olá :)!
bem mais um texto que faz pensar ne?
gostei da citaçao do sonho, ta muito gira ! parabens!!!! :):):):):)
bjinho